sexta-feira, 18 de junho de 2010

José Saramago (1922-2010)

A notícia da morte de José Saramago é daquelas que, desde há um ano, quando se agravou o seu estado de saúde, me pareceu não iria apanhar-me desprevenida. Mas não aconteceu assim, e estou desolada e incapaz de explicitar um mínimo de pensamento articulado e coerente. Também não vou escolher qualquer passagem de um dos seus livros para transcrever aqui, vou apenas recolher-me.
À família, amigos e leitores expresso o meu profundo pesar.

2 comentários:

poematar disse...

Alguém que polemizava de um modo sério; fazem falta polémicas e polemistas sem demagogias. Bom descanso para José Saramago. Tudo de bom para ti, Josefa.

Maria Josefa Paias disse...

.
Muito obrigada, José, por não me deixares aqui a falar sozinha com o José Saramago, e por distinguires a polemização séria da que o não é. E ele, de cuja ideologia política nem quero saber, questiona-nos sobre assuntos muito sérios, tanto nos seus livros como nas observações públicas que fez, quer em entrevistas, defesa de causas, etc. Mas muitas pessoas irritam-se com quem lhes dá matéria para pensar, porque é uma coisa que não gostam de fazer - pensar.

[Espero não me ter saído mal com o meu "tutear" :))]

Um abraço :)